Pastoral Católica

Pastoral é a ação da Igreja Católica no mundo ou o conjunto de atividades pelas quais a Igreja realiza a sua missão, que consiste primariamente em continuar a ação de Jesus Cristo.

A palavra pastoral deriva de pastor, que era um elemento constante no mundo bíblico. Na simbologia bíblica, Deus é comparado ao pastor, aquele que tem ao mesmo tempo autoridade e solicitude para com suas ovelhas. Jesus Cristo também é comparado ao bom pastor no Evangelho de João.

Como instituição, a Igreja atua não só na transmissão de idéias e valores, mas também no serviço à comunidade. A teologia que estuda esta ação chama-se teologia pastoral.

Sendo a Igreja como prolongamento de Cristo no tempo e no espaço, pode-se dizer: pastoral é toda atividade da Igreja como Igreja. É a própria vida da Igreja quando age e se manifesta em cada situação do mundo atual, edificando-se a si mesma. Fazer pastoral é continuar a missão de Jesus. É serviço, ação, trabalho desenvolvido a favor da vida. É ação organizada da Igreja para atender uma determinada situação, uma realidade específica. A pastoral é o agir da Igreja no mundo! Similar a ação dos pastores, tem como intenção coordenar, “animar”, de “defender” e “alimentar” a evangelização.

O pastor nunca age sozinho, mas em unidade com a Igreja de Cristo; “na unidade do Pai e do Filho e do Espírito santo”. A pastoral é essencialmente comunitária. É toda a Igreja, hierarquia e leigos, que é responsável pela pastoral. Cada um, porém, conforme seus dons e carismas, isto é, na medida que participa de Cristo-pastor.

O objeto da pastoral é todo homem e mulher no seu todo(a), isto é, corpo, alma e espírito, que deve ser salvo. Quanto à mensagem a comunicar, refere-se ao Cristo vivo, real, concreto (não apenas uma noção abstrata), o Cristo que é, ao mesmo tempo, doutrina e vida da Igreja, o qual forma uma só unidade com a sua Igreja, o Cristo total, seu Corpo Místico. Portanto, não pode haver “dicotomia” entre doutrina e vida de Igreja.

Objetivos

Evangelizar, proclamando o Evangelho de Jesus Cristo, por meio do serviço, do diálogo, do anúncio e do testemunho de comunhão, à luz da evangélica opção pelos pobres, promovendo a dignidade da pessoa, renovando a comunidade, formando o povo de Deus e participando da construção de uma sociedade justa e solidária.

Funções

A Igreja Católica realiza a sua ação através de três funções pastorais:

- Função profética: abrange as diversas formas do ministério da Palavra de Deus (evangelização, catequese e homilia), bem como a formação espiritual dos católicos;

- Função litúrgica: refere-se à celebração dos sacramentos, sobretudo da Eucaristia, à oração e aos sacramentais;

- Função real: diz respeito à promoção e orientação das comunidades, à organização da caridade e à animação cristã das realidades terrestres. Neste último aspecto, a acção da Igreja engloba campos da sociedade como a saúde, a juventude, a solidariedade social, a educação e o meio ambiente.

Pastoral da Comunicação - Pascom

A Pascom – Pastoral da Comunicação se estrutura a partir de dois Documentos, a Instrução “Aetatis Noavae” e estudos da CNBB, n° 75, Igreja e comunicação. Estes Documentos são fundamentais e básicos para realizar oLogo-PASCOM-Original
planejamento, animar e articular a PASCOM nos Regionais, Dioceses, Prelazias e Paróquias na Igreja do Brasil enquanto processos e meios de comunicação.

A Pastoral da Comunicação é o conjunto de ações realizadas dentro de uma comunidade eclesial. É a pastoral do ser e estar em comunhão com a comunidade.

É a pastoral da acolhida, da participação, das inter-relações humanas, da organização solidária e do planejamento democrático do uso de recursos e instrumentos que facilitem o intercâmbio de informações e de manifestações das pessoas no interior da comunidade ou da comunidade para o mundo que o rodeia. É a pastoral da valorização das expressões da cultura humana.

O ponto unificador e central desta pastoral é Jesus Cristo. Jesus se comunica através de parábolas, partindo de fatos da vida, conhecidos por todos, para transmitir idéias, despertar adesão e provocar transformação da realidade. Existe, sem dúvida, muita dificuldade em se aceitar a existência de uma Pastoral da Comunicação, uma vez que todos os agentes de pastoral, enquanto informam e persuadem, são, por definição, comunicadores. Por outro lado, não é uma pastoral a mais no universo de pastorais de uma paróquia, mas aquela que integra todas as demais.

"não é uma pastoral a mais no universo de pastorais de uma paróquia, mas aquela que integra todas as demais."

O modelo da Pastoral da Comunicação é participativo e circular, isto é, a palavra pertence a todos. As suas reuniões se tornam deste modo um espaço de vivência e exercício das relações comunitárias. Pois onde somente uma pessoa domina o conteúdo, o código, o meio, não há comunicação.

O membro da Pastoral da Comunicação é uma pessoa da qual se espera uma dedicação especial à reflexão, ao planejamento e à execução de programas e projetos específicos dentro dos diversos campos que compõem a área da comunicação social. Consequentemente, a Pastoral da Comunicação concentra-se em realizar uma educação para a comunicação, em que cada indivíduo, grupo ou comunidade exerça seu direito fundamental à comunicação. E cada membro desta pastoral é o seu principal educador, pois são neles que as outras pessoas esperam encontrar a postura de uma práxis libertadora.

Concluindo, a Pastoral da Comunicação se caracteriza por ser uma pastoral que possui uma vida integrada, participativa, estratégica e aberta à avaliação e à celebração. Afinal “Jesus é a Palavra de Deus que se fez carne e veio morar no meio de nós (Jo 1,14). Supremo comunicador do Pai, optou por um processo inculturado e dialógico de comunicação, que se apresenta como um modelo básico para os projetos de comunicação de sua Igreja”.

A Diocese/Paróquias devem começar suas caminhadas com a Pastoral da Comunicação e assim na medida em que esta pastoral for acontecendo aparecerão os frutos.

Se você gosta de comunicação, tem talentos com locução, rádio, redes sociais, web, publicidade, etc., ou simplesmente quer doar-se ao serviço pastoral, venha conversar conosco. Os dados para contato seguirão abaixo.

Pastoral Familiar

COMO É O TRABALHO DA PASTORAL FAMILIAR?

A Pastoral Familiar age, basicamente, em três campos ou etapas de atuação: a pastoral familiar pré-matrimonial (que compreende as fases da preparação remota para o Sacramento do Matrimônio, da preparação próxima e da preparação imediata), a pastoral pós-matrimonial e os assim chamados casos difíceis (ou casos especiais).

Setor Pré-Matrimonial
Em nossos dias, a realidade de muitas famílias já não oferece elementos convincentes para o exercício da vocação matrimonial. Por isso, as paróquias passaram a exigir, com documentação necessária para o matrimônio, um certificado de participação no "Curso de Noivos", oferecido sob várias modalidades pelas comunidades. Para auxiliar nessa missão específica, como já dissemos, o então Setor Família e Vida preparou e lançou, para todo o Brasil, o "Guia de Preparação para a Vida Matrimonial". Sua aplicação tem dado resultados bem satisfatórios.

Setor Pós-Matrimonial

Tem a responsabilidade de promover a formação contínua para a vida conjugal, familiar e comunitária. Utiliza-se, para isso, de recursos diversos: contatos individuais, organização de eventos festivos, cursos, ciclos de conferências, encontros de reflexão e de trabalho, grupos de estudo e apoio para a vida em família et. O subsídio "Hora da Família", os módulos de estudo do INAPAF e a Revista Vida e Família (antigo Boletim Informativo da Pastoral Familiar), publicados pela Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família, contém, entre outros, temas para a formação da família, o cultivo da convivência familiar e a promoção da vida espiritual. Igualmente, ajudam nesse sentido a realização de retiros, seminários, fóruns, congressos e assembleias.

Setor Casos Especiais

No caso de matrimônios mistos -  contraídos entre um católico e um cristão não-católico -  ou de casamentos feitos com dispensa de disparidade de cultos -  entre um católico e um não cristão -  é preciso ter especiais cuidados, como indica o Código de Direito Canônico e própria Familiaris Consortio. Tomadas essas cautelas, diminuirão consideravelmente os problemas surgidos dos conflitos inerentes, para experienciar o verdadeiro ecumenismo e o diálogo inter-religioso no âmbito da Igreja doméstica.

Resumindo as 3 etapas de atuação

(Etapa Pré-Matrimonial)
Prepara para o matrimônio

  • População Catequese
  • População Escola
  • Jovens
  • Namorados
  • Noivos
  • Regularizações (métodos)
  • Retiros
  • Palestras
  • Representações
  • Música
  • Cursos etc;
(Etapa Pós-Matrimonial)
Acompanha

  • Recém-casados
  • Casais e filhos
  • Educação
  • Conflitos
  • Dificuldades (métodos)
  • Reuniões de grupos
  • Retiros
  • Movimentos
  • Atendimento individual
  • Encaminhamentos
(Etapa Casos Especiais)
Atende

  • Situações irregulares
  • Situações de conflito
  • Dificuldades
  • Vícios
  • Segundas uniões (métodos)
  • Atendimento individual
  • S.O.S
  • Encaminhamentos
  • Retiros
  • Visitas
  • Articulações

 

Fontes: Wikipédia, Pastoralis, Catequese Católica,